quarta-feira, 25 de julho de 2012

Forças do destino



Star Wars – Episódio V - O Império Contra Ataca: Cena excluída

- Não conseguindo se concentrar você está, jovem Luke. Mais cuidado deveria ter, sim?

- Concentrar como, Mestre, se a metade do tempo eu tenho que ficar tentando entender o que o senhor fala?

- Correto você está, parte do treinamento isto é. Entender aquilo que não entendido pode ser, deve você fazer, ahn?

- Hein?

- Observar o que está ao seu redor e nele se enxergar, até que dele não mais se desvencilhar possa, entende você?

- Eu não entendi nem o que quer dizer “desvencilhar”...

- Hrrrmmmm... Difícil isto está. Teimoso e apressado como seu pai sendo você está. O que dizer quero é que você deve ser com a Força unido, como duas nuvens, que se unem e a diferenças entre elas vista não mais pode ser, sim?

- Hmmm... Que tipo de nuvem?

- Isso importância não tem!

- Então porque...

- Distraído e pouco concentrado ainda você continua. À sua volta olhe e me diga o que sente você.

- Dor nas juntas. E um pouco de fome. Mas não fome a ponto de comer o que o senhor prepara. É por isso que fala desse jeito? Efeito da gororoba com gosto de combustível de nave que o senhor come? Ah, estou começando a entender o que não pode ser entendido. Ou é isso, ou a fome está começando a apertar. E porque, da mesma forma que o Obi Wan Kenobi fazia, o senhor evita falar sobre meu pai tanto quanto um soldado do Império evita fazer cirurgia corretiva nos olhos?

- Bem, jovem Luke, é que seu pai... Por muitos problemas passou... O que lhe dizer posso é que ele com você ainda se preocupa mais do que compreender você pode.

- Ah, então estou começando a entender. Meu pai faz parte de tudo o que me cerca, em comunhão com os elementos que constituem o Universo, e também a Força, não é isso, Mestre?

- Hrrmmm... O que dizer eu posso é que está ele em comunhão com forças poderosas, sim.

- Ahn... Acho que o que o senhor quer me ensinar é que tudo é uma questão de como enxergamos as coisas, não? Por exemplo, qualquer pessoa com um mínimo de apego a integridade física consideraria esse fim de mundo povoado por criaturas capazes de arrancar toda a pele do seu corpo antes que você note o último lugar para morar, mas o senhor, Mestre Yoda, considera este planeta um verdadeiro lar, com a natureza intacta seguindo seu curso ininterruptamente.  

- Na verdade, jovem, jamais escolhi eu aqui viver.

- Então o que o trouxe aqui, o destino? A Força?

- Combustível barato. Não vale a pena mais barato pagar por algo que lhe causará tardios arrependimentos depois. Aprendida lição da pior forma esta foi. E por nisso falar, como pretende você sua nave de debaixo d’ água tirar, ahn?

- A nave não é minha. Deixa ela lá.

- Com medo do trocnar está você? Culpa dele não é se em seu local de caça pousou a nave você, ahn?

- Não é culpa minha não, Mestre, aquele bicho é tão grande que deve gerar sua própria gravidade, o que deve ter atraído minha nave para cá. E não estou com medo, não. Só estou... Demasiadamente receoso e momentaneamente privado de minhas características heroísticas natas...

- Usar de subterfúgios para do medo fugir você não deve, sim? Fazer isso é como tentar a visita da sogra evitar: chegará o momento em que se arrepender amargamente você irá.

- Mas Mestre... O problema do medo é que ele me dá muito... Medo.

- Inútil fugir do inevitável é. Enfrentá-lo você deve. E precisa.

- Pro senhor é fácil falar, né? Já é um Jedi há – literalmente - séculos!

- Enganado novamente você está. Na vida, nada fácil pode ser todo o tempo. E eu não Mestre Jedi nasci, sabia?

- Não? Mas que coisa. É bom ficarmos sabendo mais um sobre o outro, já que o ficaremos aqui juntos por um looongo tempo. Eu poderei lhe contar sobre meu treinamento com Obi Wan nas muitas vezes em que ele me mandava treinar cortando pedras, daí eu, sem querer, invadia algum local sagrado do Povo da Areia picotava muitas delas com o sabre de luz e eles ficavam mais irritados do que o Darth Vader quando prende a capa em uma porta automática. Daí eles vinham em bando, atacavam a gente com tiros, pedradas e acho que até comida estragada os desgraçados jogavam na gente. Depois que passava a raiva deles, eles me explicavam onde era o local sagrado, mas eu esquecia e ia até lá e daí tudo se repetia. O Obi Wan até tatuou no meu braço um mapa para eu não esquecer onde era, mas eu...

- Pensando melhor andei eu, jovem Luke. Mostre-me onde sua nave afundou que tirá-la da água irei eu para você, sim?

- Ah, mas que bondade a sua, Mestre! Curioso que, mesmo na sua – avançadíssima – idade, o senhor ainda é capaz de mudar de ideia, não?

- Exato, aprendiz. De maneiras misteriosas a Força atua, não?

40 comentários:

  1. Tem gente que tem cabeça dura e não muda nem de ideia .
    Beijos!

    ResponderExcluir
  2. Mas seria o mestre Yoda um seguidor do estoicismo? Desconfiança tenho sobre isso, jovem Bedhun.

    Fiquei pensando em outra possibilidade do por quê de Mestre Yo! ter resolvido morar naquele planetinha isolado. Tudo remete há milênios, muito antes dos Sith e os Jedis discordarem da conta de luz e brigarem por toda a eternidade: ( encontrado em um manuscrito em Naboo, no meio de uma plantação de nabos)

    A minha história
    Vou contar
    Como da glória
    Aqui eu vim parar.


    Há muito, muito tempo
    Em uma galáxia distante
    Eu era um mero estudante
    Da força eu era um eleito.

    Logo identificado eu fui
    Breve na Academia me formei;
    Assim tudo no Universo flui
    E logo Mestre me tornei.

    Eu mestre dedicado era
    Diversos Jedi treinei eu;
    Do assunto me tornei fera
    E então o pior aconteceu.

    Trabalhava bem em todo sentido
    Sempre dentro do horário;
    No entanto não fui reconhecido
    Quando verifiquei eu o salário.

    Insatisfeito fiquei eu
    Tanto esforço e estudo para isso?
    Todo dinheiro o mês comeu
    Logo perdi o juízo.

    De uma greve participei
    Em um racha no sindicato estive:
    Aos Jedi eu me filiei,
    Do outro ficaram os Sith.

    O lado sombrio logo virou poder
    Reajuste Jedi nenhum conseguiu
    Como mais nada pude fazer
    Fiz as malas e falei "Partiu!"

    Aqui neste planeta vim parar
    Muito melhor que Aldeeran
    Cá, se plantando, tudo dá
    E Longe me mantenho dos padawan!

    Que a força esteja com você, Jacques!

    ResponderExcluir
  3. Jacques, guri de Pelotas!
    Já vim aqui e li duas vezes, mas voltarei para comentar com calma como teus textos merecem, tudo bem?
    O comentário do Jaime é um poema? hehe
    Retorno...
    Abração!

    ResponderExcluir
  4. Oi Jac,

    Tudo bem? Tirei inúmeras lições do seus texto.

    Em primeiro, pergunto se o admirável mundo novo, nos permite nos tornar mais humanos?

    Em segundo, percebi,que não basta estar atento, pois há invisíveis aos olhos. E enxergar, envolve mais, pois exige comprometimento e isso nem sempre é o que queremos.

    Por fim, refleti no texto sobre as mudanças no processo de aprendizagem e a razão da dor, bem como no final você coloca a necessidade de mudança e flexibilidade que só o tempo nos permite.

    Beijos e ótima reflexão.

    ResponderExcluir
  5. Jacques, guri de Pelotas!
    Amigo, muitas informações para mim que ainda sou aprendiz, praticamente uma Luke de hoje hehe
    O que mais me chamou a atenção foi a questão da versatilidade do Mestre em se adaptar, ao lugar inóspito, supondo se adaptar a qualquer outro; e também a questão da versatilidade e disposição à mudança. Penso que seja o mote do texto!
    Parabéns! excelente como sempre!

    Ah! Feliz dia do escritor!
    (inventaram esse dia,eu nem sabia disso, mas comecei a receber mensagens lá no face, mas também nem sei se sou escritora, então... apelaremos as 'Forças do Destino') *-*

    Abração!

    ResponderExcluir
  6. Oi Jacques, tudo bem?
    Essa Força do destino muda nossas decisões de uma hora para outra. E uma "ajudinha" externa também serve de motivação, hehe.

    Abração. Bom restinho de semana.

    ResponderExcluir
  7. Olá, Jacques!
    Coitado do mestre Yoda, diante de tanta "resistência", acabou até desistindo do jovem aprendiz...
    Gostei muito das lições sobre o medo e seu inevitável enfrentamento!
    Mais um diálogo muito bom e interessante...Você tem grande criatividade e talento!
    Um grande abraço!

    ResponderExcluir
  8. Olá!Boa tarde!
    Tudo bem?Jacques!
    ...eu gostei da originalidade da tradução literal do diálogo...afinal é um filme/série americano...
    ...eu vou pela mesma linha dos comments acima...há pessoas que acham que é tarde demais para mudar e continuam na mesma linha, mesmo se conscientes de que talvez esse não tenha sido o melhor caminho. Lutar por isso? Você está lutando contra isso o tempo todo. É o nosso destino...
    Obrigado pela visita!
    Boa sexta feira
    Abraços

    ResponderExcluir
  9. Olá Jacques!
    Entrei e gostei.
    Uma ótima reflexão para enfrentar o que é novo aos nossos olhos,e a mudança muitas vezes é inevitável.Parabéns pelo escrito.
    Um bom final de tarde.

    Abraços

    ResponderExcluir
  10. Adequar ao sistema, absorver experiências e delas extrair lições e até mudar de opinião é sabedoria.
    Como sempre nos brinda com textos que prendem o leitor nos brinda você, mesmo muito bom e criatividade sua parabéns pela...
    Doces beijokas e uma boa feira-sexta.

    ResponderExcluir
  11. Amigo Jacques,
    Excluíram justamente a cena mais divertida e controvertida.
    Mestre Yoda parece que está mesmo aéreo, no mundo das estrelas.
    Ao falar, assemelha-se muito com os estrangeiros arrastando o português.
    O coitado do Luke está perdido com um mestre que ensina errado por frases tortas, mas o espectador sai premiado com bela comédia.
    Ri muito do combustível barato.
    Amigo, fizeste aqui mais uma superprodução divertidíssima, gostei sobremaneira.

    Abraços.

    ResponderExcluir
  12. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Poxa!

      Distraída como sempre, cliquei em "publicar"...sem terminar o comentário. Mas digitei outro. Publiquei. Cadê ele ? snif...snif...snif..

      Excluir
  13. Oi Jacques
    Dizer que vc escreve super bem e que sempre me faz rir já é chover no molhado kkkkkkk, seus diálogos são realmente maravilhosos! O problema do medo é que dá...medo?!kkkkkk,muito bom, e todo resto também! Parabéns!
    Bjão. Fique com Deus!

    ResponderExcluir
  14. Jacques, guri de Pelotas!
    Vim agradecer teus comentários, obrigada!
    E desejar um ótimo fim de semana:)
    Abração!

    ResponderExcluir
  15. Grande Jacques!

    Olha, eu sou ignorante no que diz respeito a série Star Wars. No entanto, sei que ela é fantástica, excelentemente roteirizada e dirigida por George Lucas. Agora, cá pra nós que é chato a forma com que o mestre Yoda fala, colocando o substantivo antes do verbo. rsrs

    Parabéns por sua adaptação Jacques!

    Um forte abraço!

    Anselmo

    ResponderExcluir
  16. Olá Jacques,
    Interessante, refletivo, e inteligente esse dialogo, como sempre você mostra o talento que tem. Poderia realmente dirigir um filme, faria bastante sucesso.

    As nossas decisões sempre são mudada pela força do destino.

    Beijos e ótima semana amigo.
    Ja tem atualização!

    ResponderExcluir
  17. Oi Jacques! Sua visita é sempre bem vinda.Mudanças geralmente nos deixam apreensivos, mas, precisamos enfrentâ-las com fê e determinação. Uma semana de paz, abra ços!.

    ResponderExcluir
  18. Passando para agradecer a sua visita
    muito querida por mim, agradeço por ter tantas
    coisas boas pra gente ver, o post é bom, gostei
    Bjuss de bom final de tarde
    Rita!!!

    ResponderExcluir
  19. Oi Jacques! Pior do que as forças invisíveis aos olhos humanos é a rigidez do olhar conservado sempre na mesma direção. É preciso mudar. É preciso crescer. Cresço aqui com a perspicácia dos seus textos. Excelente.

    Muito obrigada pela presença no História em Prosa. O outro blog será desativado. Porém, a sua presença na minha nova casa cibernética é uma alegria. Pois, a sua opinião é muito importante.

    Abraço!

    ResponderExcluir
  20. Oi Jacques..tudo bem??

    Poxa...quanta mensagem por traz desses seus diálogos..
    Eu te leio sorrindo..sempre...
    Conta...como voce consegue? rsrs

    E o comentario do Jaime daria um Post a parte!

    bj e boa semana...

    ResponderExcluir
  21. Oi Jacques!
    Olha sua genialidade para construir esses textos é ímpar...acho admirável!
    Olha vou pedir uma coisa...faz um diálogo assim, do tipo que só você sabe fazer...com os personagens de Laranja Mecânica?
    Então, algo que realmente me atraiu em Corlaine foi esse lance de deixar as explicações e dúvidas não respondidas. O que era a outra mãe e o que era aquela realidade? Talvez um ser proveniente de pesadelos, um espírito cruel ou talvez algo proveniente do inferno (no maior estilo Silent Hill)? Eu gostei de toda a ora Coraline em si e não consigo ver aquilo como algo infantil...é perturbador demais rs. Enfim, não conheço essa obra de Gaiman, recordo do nome mas não li fica a dica. E então lhe indico uma obra dele em livro feita junt com Terry Prachett que se chama Belas Maldições; simplesmente adorei esse livro.
    bjs

    ResponderExcluir
  22. Entender o que não pode ser entendido (rss). Não é para tudo que existe justificativa ou explicação. No fim, acabou ele trocando seu objetivo de ensinamento por uma ajudinha ao retorno do outro. Creio que a possibilidade de ficar ouvindo suas experiências não agradou (heheheh). Bjs.

    ResponderExcluir
  23. Olá Jacques,

    Incrível o diálogo. Você impressiona com sua criatividade e inteligência, além de divertir.
    O diálogo é rico em pontos que levam a refletir.
    Gostei do combustível barato. É melhor quando podemos aprender da melhor forma, usando de discernimento e sabedoria (né?).
    Também adorei a frase do medo:
    - "Mas Mestre... O problema do medo é que ele me dá muito... Medo". E num é que é? (rsrsrsrsrs).

    Obrigada pelas visitas tão agradáveis.

    Ótimo dia e excelente semana.

    Abraço.

    ResponderExcluir
  24. Olá Jacques,
    Uma passadinha rápida pra agradecer pelas palavras inteligentes no comentário. obrigada amigo!
    Beijos e ótima semana!

    ResponderExcluir
  25. Olá Jacques,

    Muito interessante esse diálogo e muito reflexivo também, gostei demais!

    Abçs

    ResponderExcluir
  26. Adorei rsrs vc é muito criativo meu amigo, além do humor ainda tiramos lições dos escritos..parabéns.

    ResponderExcluir
  27. Olá, querido Jacques!
    Eu lembro bem dessa cena... Aquele planeta inóspito e tal. Eu tinha uma raiva do mestre Yoda e esses enigmas. Eu sempre achei que ele tem algum parentesco com o mestre dos magos.
    Imagino essa roteiro em ação. Porque, com essa boa dose de humor, ia dar uma bela filmagem. O final diz tudo - sempre podemos mudar de ideia, desde que os argumentos sejam suficientemente claros e corretos, não importa a idade e a experiência, nesse caso, a força [argumentos] realmente sempre atua.

    T.S. Frank
    www.cafequenteesherlock.blogspot.com

    ResponderExcluir
  28. Olá Jacques!

    Como estás?

    Acabei de ler os teus comentários e vim ao teu blog para te visitar. Obrigada.

    Eis um filme, que por alguma razão que desconheço ainda não consegui ver. No entanto, espero que um dia possa ver a saga de Star Wars, ou A Guerra das Estrelas. Acerca do dialogo entre o Mestre Yoda e o discípulo Luke Skywalker, penso que o entendimento das palavras do mestre para discípulo precisa vir do coração, da intuição.

    A vida tem imensos momentos de mudança, pois esta é imparável e está sempre em movimento. Cada decisão que tomamos, abrimos a porta para a mudança. Mas essas mudanças nem sempre nos agradam, embora elas surjam no nosso caminho para que amadureçamos. Porém, essas mudanças devem partir de dentro para fora, do nosso interior. Mudar, significa crescer, evoluir e mostra que a nossa mente não cristalizou. Mostra que aprendemos com as lições do passado, mas também que estamos aptos para aprendermos mais lições.

    Muito bom texto. Gostei, pois gosto de enigmas e de ler nas entrelinhas. ;)

    Parabéns!

    Abraço, voltarei em breve!

    Um bom dia para ti.

    Cris Henriques

    http://oqueomeucoracaodiz.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  29. Oi Jacques

    Me lembrei de uma frase de uma música do Cartola:

    "Devemos trocar ideias, e, mudar de ideias"

    Penso que a maior propriedade dos que trocam ideias é a disponibilidade em muda-las quando necessário.

    Beijos

    ResponderExcluir
  30. Olá!Bom dia
    Tudo bem,Jacques?
    amigo...só passando para agradecer...obrigado por prestigiar o níver do meu blog e pelas palavras!Muito feliz! De coração!
    boa quarta feira!
    Abraços

    ResponderExcluir
  31. Que texto da hora hein! Até mesmo para mim que nunca assisti o filme. Apenas uma observação: a sabedoria vem com o tempo sim, mas é preciso buscá-la, ao menos as vezes. rs
    Abrç
    End Fernandes

    ResponderExcluir
  32. jacques, querido amigo,
    pois eu que assisti a este episódio uma data de vezes (é verdade que há muitos anos) não me recordo desta cena... tinha também a ideia de um luke jovem, garboso, de aprendizagem fácil, mas que, afinal, com o tempo, se torna lento e confuso ao ponto de levar a inflexões de comportamento até aí impensáveis por parte do mais-que-vetusto ioda.
    não sei porquê, mas depois da leitura desta tua versão, consigo imaginar uma série starwars alternativa, tendo-te por guionista, produtor e realizador; não sei porquê, também, mas adivinho que pudesse vir a gostar até mais do que da original... mesmo que com efeitos especiais produzidos não na sofisticação dos computadores, mas na genialidade da palavra - a tua verdadeira força.

    abraço e... let the force be with you!

    ResponderExcluir
  33. Que essa quinta feira traga pra vc
    toda alegria de ter nesse espaço o
    melhor para ver, ler, e gostar muito
    Tudo que tem aqui é, de bom gosto
    Deixo um abraço carinhoso
    Agradeço sempre pela visita, que me agrada muito
    Bjuss
    Rita!!

    ResponderExcluir
  34. Oi Jacques

    Nunca tive o hábito de assistir as séries de star wars.
    Mas como já disse é instigante ler seus diálogos que mereciam um roteiro de cinema ou como peça teatral.
    Parabéns pela criatividade e versatilidade na escrita.

    Uma linda semana
    Bjs.

    ResponderExcluir
  35. Olá Jacques, a última semana foi bastante corrida, por isso acabei demorando um pouco para passar por aqui. Gostei muito de mais este post, cheguei até a me identificar um pouco com este medo que o Luke sente e de fato nenhum de nós estamos imunes à ele, como o mestre disse, ninguém Mestre Jedi nasce!

    http://sublimeirrealidade.blogspot.com.br/2012/08/gosto-de-cereja_5.html

    ResponderExcluir
  36. ps:Estou te adc om meu novo perfil pois o outro deu problema e não conseguia postar em vários blogs, esperei uns dias não melhorou tive que fazer este novo rs.

    ResponderExcluir
  37. Você é extremamente gentil e não poderia deixar de agradecer suas visitas e comentários. Bjs.

    ResponderExcluir
  38. Estou na sala dos professores e dei uma gargalhada com esse "- Concentrar como, Mestre, se a metade do tempo eu tenho que ficar tentando entender o que o senhor fala?"… pô, ele tem toda razão… que maneira de falar, heim!? hahahahah … vou confessar! Pouco entendi… pouco mesmo! rsrsrs … só que mudanças podem sempre acontecer. Tenho pena dos que são cabeça dura!


    bjks, parento JoicySorciere => CLIQUE => Blog Umas e outras...

    ResponderExcluir
  39. Olá.
    Legal, gostei muito,parabéns.
    Divulgue seu blog no Portal Teia,é grátis e rápido.
    Se interessar é só dar uma passadinha lá.
    Até mais

    ResponderExcluir